A maior parte do povo brasileiro tem dificuldade na escrita, seja desde uma simples frase a um texto mais complexo, isso não se pode negar. A questão é: por que as pessoas têm, ou parecem ter, tanta dificuldade na hora de escrever? Por que as palavras mais simples parecem ser as maiores inimigas na hora de se expressar?

A resposta é básica: não leem. E se leem, não conseguem assimilar a gramática dos vocábulos para depois colocá-los no papel. Às vezes, também, por não interpretar corretamente o sentido de uma palavra, acabam por empregá-la de forma incorreta em um texto.

José Juvêncio Barbosa, autor do livro Alfabetização e leitura, afirma: “A questão da aprendizagem da leitura é a discussão dos meios através dos quais o indivíduo pode construir seu próprio conhecimento, pois, sabendo ler, ele se torna capaz de atuar sobre o acervo de conhecimento acumulado pela humanidade através da escrita, e desse modo, produzir, ele também, um conhecimento”.

Outra questão importante é a influência dos meios de comunicação virtuais. A tecnologia trouxe à tona diversos problemas de fala e escrita, ocorrendo principalmente entre os jovens, que constituem a maior parcela de usuários on-line no mundo todo. Nas famosas redes virtuais, esquecem as mínimas regras para uma boa escrita e acabam “assassinando” a Língua Portuguesa com suas gírias e abreviações. Até aí tudo bem. O problema surge quando esses novos estilos de escrita são passados para o papel, causando uma má impressão da pessoa por seu modo “estranho” de se expressar. Geralmente, esse indivíduo nem ao menos tem consciência de que escreve errado, pois já o fez do mesmo modo muitas vezes.

E como fazer com que o sujeito que tem um vocabulário tão precário se sinta mais confortável ao trabalhar com as palavras? Acredito que a pessoa deve, primeiramente, se sentir segura do assunto que irá colocar no papel. Posteriormente, com a ajuda de um dicionário ou programa de computador, deverá escrever com calma a ideia que tem em mente. Finalmente, precisa revisar várias vezes, e fazer as correções necessárias para torná-lo coerente.

No entanto, devemos admitir que não é preciso estar sempre em dia com o Português, afinal, erros são propícios de ocorrer até para o mais conceituado professor e Doutor em Letras. Não estou afirmando que é necessário falar e escrever como se fôssemos robôs da gramática, isto é, decorar palavras e acentuações, que talvez nem saibamos o verdadeiro sentido. Entretanto, deve-se pelo menos respeitar a Língua Portuguesa. Escrever errado de propósito não é nem um pouco bonito.

Escrever errado por falta de conhecimento pode até ser aceitável, mas é necessário saber que há diversos meios para aprender. E nunca é tarde. Leia um livro e verá os resultados. Um dos maiores problemas quanto à dificuldade na escrita é a falta de leitura, especialmente entre os adolescentes, que preferem passar o dia em um jogo de computador do que aumentando seus conhecimentos na companhia de um livro. Se soubessem a maravilha que existe em cada um mudariam de ideia.

Agora, já imaginou todo mundo falando e escrevendo da maneira que quisesse, só com gírias e “invenções da língua”? Já pensou na confusão que seria? Pois é, se ainda não imaginou, nem imagine!