Publicidade

Helen Bampi

Os sentimentos e as palavras

A psicologia descreve o amor como um fenômeno cognitivo e social. O psicólogo Robert Sternberg formulou uma teoria triangular do amor e discutiu que ele tem três componentes diferentes: Intimidade, Compromisso, e Paixão. A Intimidade é a forma pela qual duas pessoas podem compartilhar segredos e vários detalhes de suas vidas pessoais. O Compromisso é a expectativa de que o relacionamento irá durar para sempre. A última e a mais comum forma do amor são atração sexual e Paixão. O amor apaixonado aparece na atração bem como no amor romântico.

Devemos nos recordar de que o amor não está presente somente nas palavras. Ele vem acompanhado de um sorriso, um gesto, até de uma brincadeira, de um simples carinho, da atenção, do valor de uma amizade. É colossal a lista de sentimentos adeptos ao amor; é gigantesco o número de indivíduos interligados a ele. Não há quem não ame.

Mas... como saber se um “Te amo” é verdadeiro? Como saber com certeza se as atitudes da outra pessoa são sinceras, se suas intenções são as esperadas? Só o tempo poderá afirmar sem margem de erros. O amor é algo constante, e, para um relacionamento transcorrer de forma agradável, a base de tudo deve ser a confiança. Há muita conivência nos bons momentos, e do mesmo modo ela é necessária quando surgem os problemas, os períodos difíceis. E nessas horas, sem dúvida, haverá provas de um amor leal.

Mais importante ainda devem ser os laços de amizade e cumplicidade. Afinal, uma relação se origina de uma grande amizade. Claro, não de um dia para o outro, porém a cada ocasião enriquece. Talvez necessite um tempo além do esperado, não se pode afirmar com certeza. Entretanto, o que se sabe é que aquele casal realmente feliz teve em seu relacionamento altos e baixos, e enfrentá-los tornou os dois envolvidos inseparáveis, já que um depende do outro. Mas também pode haver a decepção. Aquela cega esperança de que a pessoa amada lhe corresponde e é fiel. Nestas horas é preciso calma e compreensão, e um ombro amigo para conversar. “O amor pergunta à amizade: ‘Mas para que você serve, afinal? ’ E a amizade responde: Sirvo para limpar as lágrimas que você deixa cair.”

Passe mais tempo com as pessoas que gosta, brinque, ria... A vida é curta demais para torná-la um rascunho, pois é bem provável que não haja tempo para passar tudo a limpo. Se tiver que dizer a verdade sobre o que sente, vá em frente, e “magoe uma pessoa com a pior verdade, mas não a iluda com a melhor mentira”. Lembre-se sempre: a amizade é o bem mais precioso em uma relação, e não pode ser considerada verdadeira se não há sinceridade. Recorde-se dos bons momentos; as lembranças, ainda que sejam tristes, fazem bem à alma. Não espere tanto para abrir seu coração, seja como for, a quem for: um minuto pode significar uma vida inteira. Não espere a separação para sentir saudades. E viva. Não espere o tempo passar para descobrir que o melhor momento para viver é agora.