Rotulada como música de “corno”, boate azul é um sucesso nacional, é grande parte da população conhece e canta junto, além do mais de ser um hino dos boêmios e de homens apaixonados.

Se você não ouviu, tem a obrigação de ouvir. A letra conta a história de um boêmio ou de um rapaz apaixonado, que era tinha uma paixão não correspondida e para tentar cura-la, acaba partindo para “a vida noturna” em um bordel, mostrando aonde o sentimento de um homem pode obrigar a leva-lo.

Usamos uma lógica muito parecida em nosso cotidiano ,quando levamos um fora,ou quando fazemos um porre. O que devemos fazer para ambos curar? Encontrar outra pessoa que nos faça bem e quanto ao porre repetir a dose.

Composta na década de 80 a música, ela traz um tom poético, que em um momento da música “Enquanto a noite vai se agonizando no clarão da aurora”. Me diga se esta música não tem classe? Ao se referir a prostituta como sua companhia ele menciona “dama da noite” reparem na sutileza. Mas a parte mais filosófica da música vem quando ela diz “sair de que jeito, se não sei o rumo para onde vou”, filosofia pura.

Agora venha me dizer que esta breve analise, não fez com que você pensasse a respeito da música? O preconceito fica de lado. O que vale é a tradição de uma música que é um ícone nacional e que retrata fielmente o sentimento de um homem que teve uma grande desilusão amorosa.

Clique para ouvir a música:

{mp3}140128_boate_azul {/mp3}