Fazer greve não é um hobby para os professores, não é algo que se goste de fazer, mas há momentos em que ela se faz necessária. Como é o caso do atual momento. Todos sabem que a situação econômica do estado não é a das melhores, porem cabe ressaltar que a dívida se arrasta de anos e não serão os professores que terão que pagar a conta.

                A questão do parcelamento foi o estopim da paralisação, afinal ninguém que trabalha merece ter seu salário parcelado, cabe também dizer que o ato é Inconstitucional, ou seja, isso não pode acontecer, mas aconteceu. Por que justo o salário dos servidores que menos recebem do estado sofreram este caso? Por que os Deputados não tiveram seus salários parcelados.

                De acordo com as falas do secretário da Fazenda a tendência é que a situação piore ,já que temos o bloqueio com a União ,visto que a dívida esta atrasada. Qual será o resultado? Um novo parcelamento? Mas é importante questionar por que os outros governadores não parcelaram?

                No meu ponto de vista a paralisação de três dias se dá a uma série de fatores que nós professores enfrentamos no nosso cotidiano. Vivemos um período complicado onde que a sociedade passa por transformações e a escola é órgão divisor com que se estabeleça certa organização. Juntamente com esse contexto vivemos vários problemas, um deles é a violência que cada dia a mais afeta a nossa classe.

                As escolas estão com as suas estruturas físicas cada vez mais precárias, algumas com goteiras, problemas de iluminação, locais interditados e quando há solicitação de algum reparo, realmente o mesmo demora a ocorrer. Hoje se busca a inclusão de portadores de deficiência física ,porem nem todas a escolas estão adaptadas para receber, outro ponto para debate.

                Existem coisas que acontecem referentes à educação que a população não consegue enxergar. Como é o caso de alunos que ainda hoje tem caminhar vários quilômetros para chegar à escola, ou pega o transporte que passa por pontes em péssimas condições nas quais se tem a insegurança, será que vai cair? Ou até mesmo em rios e córregos que os ônibus passam como mostrou a própria imprensa.

Segue uma sugestão um documentário intitulado “Pro dia nascer feliz”  no qual ele apresenta as reais dificuldades enfrentadas  pelos professores e pelos alunos pela precariedade do sistema público. O documentário é ótimo para questionarmos a atual situação em que se encontra a educação pública.

                Fazer greve acima de tudo é ir de encontro na luta por direitos e melhorias, afinal se atarmos as mãos pouco será feito. Não adianta nos queixarmos diariamente sobre o que está acontecendo se nada somos capazes de fazer. Já está sendo tocado o terrorismo de o ponto será cortado. É amigo ,não existe vitória sem sacrifício. A greve se faz necessária.