Publicidade

Estive no V Seminário de Direitos Humanos da FENED com o tema “Entre a Lei a a Loucura: Práticas de Liberdade Possíveis”. Ministrei uma das sete Oficinas do Seminário “‘bipolar’ recuperado, Luta Antimanicomial e Saúde Mental”, distribuindo mais de 100 panfletos com parágrafos de meus três livros sobre o assunto, sendo que um ainda inédito.

Evento nacional, programação intensa, interessante e que agrega conhecimentos e experiências. Com a presença de aproximadamente 160 pessoas, dessas, conversei com pessoas do Acre, Belo Horizonte-MG, Brasília-DF, Curitiba-PR, Rio de Janerio-RJ. Dos cursos de Direito, História, Psicologia, Serviço Social, Sociologia e militantes da Luta Antimanicomial.

Foi promovido pela FENED - Federação Nacional de Estudantes de Direito; SAJU e Centros Acadêmicos de Assistência Social, Direito e Psicologia da UFRGS.

Foi realizado parte na Câmara de Vereadores de Porto Alegre e Escola Parobé

Houveram dois painéis: 1 “A história da Loucura no Brasil: da estigmatização ao encarceramento”; 2 “Alternativas Possíveis: tecendo redes para além dos murros”

Ao mesmo tempo ocorria o último final de semana da 61ª Feira do Livro de Porto Alegre.

Há certas coisas na vida que ‘sonhamos’ por certo tempo; ao realizarmos, procuramos almejar outras metas. Ver mais detalhes no site www.sdh2015.wordpress.com

Seguir diretriz definida dá certa autoridade no que buscamos e transmitimos. No próximo dia 1º de dezembro estarei integrando a delegação gaúcha à 15ªCNS - Conferência Nacional de Saúde. Único farroupilhense entre os 144 delegados do Rio Grande do Sul. Certas atitudes podem demorar produzir efeito, mas me orgulho muito de fazer atividades que podem parecer de formiguinhas, mas que já vi muitos resultados, ainda em vida.

Recordo com muita saudade de Congressos, Seminários e outras atividades do Movimento Estudantil que eu estava engajado e percebemos em nossa caminhada muitos avanços sociais, que direta ou indiretamente foram frutos de nossas mobilizações, atividades.

Frutos esses que muitos universitários e universitárias sequer conhecem a história, ou quanto foi difícil alcançar, mas essa é outra história, que muitas saberão qualquer dia.

Visionário, louco, excêntrico, não importa a palavra indicada a muitas pessoas, o bom que elas alteram o futuro(e o presente) com ideias que procuram a evolução da sociedade de forma que o coletivo, ou a maioria de certas frações, consigam avançar em ousadia e conquistas diárias.

Procurar formar discípulos pode parecer uma das atividades mais difíceis nesse sentido, pois podemos encontrar pessoas com características de líderes, procurar auxiliá-los a evoluir em pensamentos e atos, mas nunca conseguimos impor possibilidades de mudanças “goela à baixo”, talvez esse seja a maior barreira para continuidade de melhoras num todo da sociedade.

Sobre o autor Roque JR

Roque JR é graduando em Sociologia e História na UCS, ambos os cursos mais de 50% das disciplinas cursadas. Fotógrafo há quase três décadas. Lançou sua primeira obra literária em 1999. Editor e historiador, já publicou 18 obras literárias. Foi fundador do CASFF, da UFES, do LEO Clube Farroupilha Imigrante, militante em várias áreas em especial no meio estudantil entre 1987-2014. Atualmente dedica-se a Literatura; à Luta antimanicomial, Saúde Mental e Saúde Pública.

Visitar site do autor

Lista de Artigos de Roque JR