Publicidade

Desde 2004 mais de 200 mil militares ao aproximar sua saída das Forças Armadas recebem cursos profissionalizantes e, desses, 80% garantem ótima profissão após o serviço militar obrigatório. 315 organizações militantes(Exército, Marinha e Força Aérea) em 14 municípios, capacitaram em média 12 mil soldados por ano.

Jovens militares em situação de risco social, em boa parte cursam 160 horas/aula em cada um dos 40 cursos oferecidos. Complementam à disciplina, subordinação, cuidados extremos com pontualidade, e tantas outras virtudes aprendidas ou aperfeiçoadas nas fileiras militares; tendo muitas profissões dignificantes, com salários dignos e empregos fixos, após a saída dos quartéis. Garantem a admissão ainda antes de seu término como militar, antes mesmo de sua saída das tropas.

Grande parte dos militares que saem a cada troca anual de tropa, possuí local de trabalho, entre esses, cargo, função junto a tantos locais de destaque.

Essa capacitação nos fileiras militares, mostra boa visão de nossas forças em armas, preocupados com o futuro de centenas e centenas de soldados que, no decorrer de seu cotidiano poderá projetar algo novo em seu currículo.

Seria de alto custo se realizado em escolas profissionalizantes convencionais e particulares; propicia após o término de período mínimo junto ao quadro militar em ótimas posições civis e militares nas áreas de alimentação, artes, comércio, comunicação, confecção, construção civil, eletricidade, gráficas, informática, mecânica, pintura, saúde, transportes, telecomunicações, têxtil e vigilância.

A origem dessa louvável iniciativa se deu a partir do conhecimento que “muitos soldados ficam sem saber qual rumo profissional seguir”, então o Ministério da Defesa, através desse projeto, “busca preparar esses jovens para o mercado de trabalho.”

A primeira década do projeto demonstrou muitos avanços e resultados consideráveis, entre eles setores que há grande necessidade na meio civil de profissionais. Momento muito importante na vida de qualquer cidadão, na média de 20 anos de idade, início de família a muitos, que já possuem esposa e filha(o).

Da mesma forma que há um embasamento concreto, forte em conceitos e princípios, os “soldados cidadãos” retornam ao meio social, em novo cotidiano, e boa parte retribuindo à sociedade de inúmeras formas.

Na edição 4, ano IV, anual(2014) do informativo Soldado Cidadão, há muitos outros detalhes que merecem ser observados, bem como a divulgação desse projeto a todos os cantos possíveis.

Sobre o autor Roque JR

Roque JR é graduando em Sociologia e História na UCS, ambos os cursos mais de 50% das disciplinas cursadas. Fotógrafo há quase três décadas. Lançou sua primeira obra literária em 1999. Editor e historiador, já publicou 18 obras literárias. Foi fundador do CASFF, da UFES, do LEO Clube Farroupilha Imigrante, militante em várias áreas em especial no meio estudantil entre 1987-2014. Atualmente dedica-se a Literatura; à Luta antimanicomial, Saúde Mental e Saúde Pública.

Visitar site do autor

Lista de Artigos de Roque JR