Dando continuidade à coluna anterior, onde foco a ida a UPF (Universidade de Passo Fundo) para debater na noite de seis de outubro sobre a Luta Antimanicomial, Saúde Mental e “bipolaridade”, desejo interagir com os que aqui me leem e lá estarão acompanhando minhas exposições verbais.

Levo muito em conta a opinião e a interação de meus leitores, seja aqui nas colunas semanais, seja em minhas palestras, seja em meus livros. Quero abrir diálogo para os universitários (as) que me acompanham, suas questões, tanto para os próximos livros, quanto para o rumo do que conversaremos em Passo Fundo-RS.

Com base neste texto e no anterior (desta coluna) e o que compreendes pelo assunto desejo ampliar e na troca de ideias contigo e que a muitos(as) também podem ser as mesmas dúvidas.

Quero deixar a possibilidade de tua pergunta fazer parte de algum de meus próximos livros sobre o assunto, o que gostarias de saber? Fique à vontade para me questionar, se eu não souber a resposta, me dedicarei para procurar conseguir e publicar para mais terem a informação.

Na atualidade muito se melhorou na Luta Antimanicomial, por outro lado muito ainda temos a melhorar, e em alguns estados brasileiros houve grandes retrocessos. O que mais nos auxilia a melhor fazer na área da Saúde Mental e termos o máximo de informações sobre seus avanços, o que podemos defender e avançar ainda mais na área.

Entre os avanços há o protagonismo dos usuários do serviço em Saúde Mental que tem melhorado consideravelmente a humanização dos tratamentos. O Ser sendo parte importante deste processo e em muitos focos, seja em CAPS, seja em Assembleias, em Associações, recentemente nas Conferências Estaduais e Municipais, culminando na 15ªConferêrencia Nacional de Saúde a participação ativa de protagonistas com sofrimento mental foi algo exemplar.

Dezenas e dezenas de pessoas que até bem pouco tempo seriam “condenadas” a estarem “internadas” por meses, quiçá anos, em manicômios, hospícios, “hospitais de loucos”, na atualidade e muitas vezes passam despercebidos seus problemas mentais pela forma que interagem com (e na) a sociedade em geral.

Profissionais ligados ao tratamento de Saúde Mental são tantas áreas, entre elas Artes, Educação Física, Enfermagem, Música, Psicologia, Psiquiatria, Terapia Ocupacional, precisam se apoderar destes avanços e ousadamente prosseguir, continuando esta reforma psiquiátrica antimanicomial que merece total atenção e empenho para constante efetivação.

Sobre o autor Roque JR

Roque JR é graduando em Sociologia e História na UCS, ambos os cursos mais de 50% das disciplinas cursadas. Fotógrafo há quase três décadas. Lançou sua primeira obra literária em 1999. Editor e historiador, já publicou 18 obras literárias. Foi fundador do CASFF, da UFES, do LEO Clube Farroupilha Imigrante, militante em várias áreas em especial no meio estudantil entre 1987-2014. Atualmente dedica-se a Literatura; à Luta antimanicomial, Saúde Mental e Saúde Pública.

Visitar site do autor

Lista de Artigos de Roque JR