Publicidade

Está no artigo 206 da Constituição: um dos princípios nos quais deve se basear o ensino ministrado no Brasil é a garantia de padrão de qualidade. Mas o que é qualidade para o legislador, para o gestor público, para os especialistas em educação e, sobretudo, para a comunidade escolar, incluindo pais, alunos e professores? Como garantir um padrão de qualidade em um país com realidades tão distintas, não apenas de uma região para outra, mas, inclusive, entre escolas de periferia e de bairros centrais de uma mesma cidade?

O que é preciso verificar é a aplicação dos conhecimentos nas diversas situações vivenciadas pelos indivíduos (competências). Assim, além de saber algo, é necessário saber fazer, o que implica em conseguir mobilizar os conhecimentos que permitirão a resolução de um problema concreto, que ocorre em um determinado contexto (Perrenoud, 1999). A escola tem um papel fundamental na construção das competências, uma vez que seu objetivo, de acordo com a nova LDB, é preparar o aluno para ser cidadão, fazendo uso dos conhecimentos trabalhados na mesma.

Desta maneira, a tarefa do professor é a de lidar com a construção do conhecimento e sua aplicação em situações-problema que mobilizem os alunos e que requeiram ações específicas, associadas às competências que se quer desenvolver.

Atualmente deparamos com situações onde a aprovação ocorre para mostrar que os índices de certas escolas estão nos 100%, fazendo crer que o ensino vai muito bem. Mas esquecem se as habilidades e competências foram adquiridas. Em certas situações existe as aprovações para obter status de que a escola é de melhor qualidade, que o nível está alto ou que a rede escolar é a melhor!

Pelo desenvolvimento dos alunos que não atingem o nível necessário, mostra que o resultado está mascarado, e além do mais, que tipo de cidadãos estão saindo das salas de aula? São pessoas preocupadas e com um pensamento crítico desenvolvido (a seu nível)? Educação é um investimento familiar e Ensino é Escolar.

Enquanto persistir esta mentalidade de que as habilidades e competências são apenas enfeite, é certo que o futuro da qualidade do Ensino está comprometido, pois não existe certa responsabilidade com a eficiência e a eficácia da aprendizagem escolar.