Publicidade

Uma avalanche é uma fenômeno natural que se observa quando uma massa de neve se precipita rapidamente em direção ao vale. Durante a descida, a massa vai se avolumando e pode arrastar muito material. A alta periculosidade das avalanchas faz com que em zonas de risco criem-se específicas unidades de prevenção, que observam e analisam as condições de tempo e da neve para avaliar o risco.

Por extensão de sentido, hoje uma avalancha pode também significar a rápida precipitação de rochas ou lama, onde esta pode ser causada pelo derretimento da neve e conseqüente mistura com a terra ou mesmo em encostas sem neve e atingida por fortes chuvas. As avalanches reais, aqui dizendo, acontecem por questões inerentes à natureza, ao meio ambiente, aos fenômenos atmosféricos e tal.

Não podemos esquecer também que existe também a avalanche digital, isto é, a modernização veloz das tecnologias, para adaptar aos sistemas ligados a música, instrumentos virtuais, estúdios, computadores, ferramentas eletrônicas, etc.

E ainda, seguindo a extensão de sentido, a avalanche está sendo usada por políticos, e veiculada pela imprensa, para afirmar a concretização de obras de infra-estrutura. Isto posto, quer caracterizar que as obras vão aparecer em grande quantidade, como se fosse ‘algo’ que se precipita. A ação é um tanto que esquisita, pois a propaganda forçada é desnecessária, uma vez que é obrigação do poder público de fazer obras para a municipalidade, sem tanto alarde, sem “avalanche de palavras”.

A democracia nos possibilita a termos o direito de expor nossa opinião a respeito das coisas que estão ocorrendo, observando que temos o dever de sermos responsáveis por aquilo que opinamos.
Albert Einstein disse: Meu ideal político é a democracia, para que todo homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado.

Fernando Pessoa nos diz: Agir, eis a inteligência verdadeira. Serei o que quiser. Mas tenho que querer o que for. O êxito está em ter êxito, e não em ter condições de êxito. Condições de palácio tem qualquer terra larga, mas onde estará o palácio se não o fizerem ali? Querer não é poder. Quem pôde, quis antes de poder só depois de poder. Quem quer nunca há de poder, porque se perde em querer.

Abraham Lincoln afirmou:

(1) Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo.

(2) Quase todos os homens são capazes de suportar adversidades, mas se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder.