Publicidade

Estrangeirismo é o processo que introduz palavras vindas de outros idiomas na língua. De acordo com o idioma de origem, as palavras recebem nomes específicos, tais como anglicismo (do inglês), galicismo (do francês), etc.

Com o advento mais evidente da globalização, a maioria das línguas não está imune aos estrangeirismos. Nossa língua Portuguesa, ainda caçula das línguas latinas, sofre a interferência, às vezes avassaladora.

No entanto, hoje, quando falamos de algumas palavras cujo radical é de origem grega, parece que estamos falando grego, tal o desconhecimento dos radicais helênicos ou de origem latina, do latim original. Devemos entender também que nossa língua tem expressões oriundas de falas africanas e indígenas. Isto tudo, é a composição de nosso idioma.

Não há menor problemas em aceitar e acatar palavras estrangeiras, principalmente quando surgem como designação de novíssimas tecnologias. Mas, sem ser purista nem ferrenho defensor de nossa língua, está intragável de engolir as macaqueações modernas, só porque estão na moda. Exemplo: Estranho é encontrar em shopping Center “push” no lugar de “empurre”; em pizzarias, “delivery” no lugar de tele entrega ou entrega a domicílio.

Segundo João da Costa Vital, do Jornal a Gazeta de Cuiabá (MT) “O estrangeirismo exacerbado está apunhalando o nosso vernáculo, na intenção de se aparecer como letrado, quando a meu ver se mostram pobres de linguagem do nosso idioma pátrio. É puro exibicionismo. É uma cultura de verniz, que na ânsia de se mostrar elite estão desfigurando, deturpando o nosso idioma. É um estrangulamento idiomático e preconceituoso para com o nosso idioma. Eu afirmo, por exemplo, que nos EUA, o nosso português não é tão divulgado. Não há o aparecimento de nativos estadunidenses substituindo expressões inglesas por outro idioma como acontece entre nós brasileiros.”

Temos que valorizar nosso idioma, a imposição das línguas, principalmente o inglês, vem de uma maneira avassaladora contra nossa cultura, daqui a pouco, só falaremos esse idioma, pois ele está presente em inúmeras áreas no nosso país. Nada contra conhecer e aprender outras línguas, mas é imprescindível conhecermos bem nossa língua pátria.