Parece-me que o resultado das últimas eleições deram gás para os farroupilhenses lutarem por suas causas. Percebe-se que o povo está se unindo contra a instalação e funcionamento de um abatedouro de aves e indústria de beneficiamento de carne suína, na Linha Palmeiro, interior de Farroupilha.

Essa população não está contra o frigorífico em si, que deverá cumprir a legislação, mas contra a sualocalização. Ali perto existe o Santuário de Caravággio, local de turismo religioso, com grande fluxo de visitantes de todo o Brasil, especialmente nos meses de fevereiro e maio, que atrai milhares de peregrinos. Na vila estão instalados hotéis, restaurantes, agroindústrias (não poluentes) e todo um segmento de fomento ao turismo; atividades que serão fortemente prejudicadas se o abatedouro for instalado.

Através das redes sociais o movimento está se avolumando e lutando por uma causa justa. Independente de corrente religiosa, a população está apoiando a ideia e, afirmando a proposta, firmando seu nome no “abaixo assinado”.

Por várias tentativas, o grupo procurou apoio da Diocese de Caxias do Sul, então proprietária do bem material, mas obteve respostas evasivas, como “muito delicada a situação”, “se a Fepam liberar não tem nada a fazer”.... Essas manifestações fazem pensar que a igreja está de calando diante de uma causa séria, justa e sem interesses políticos partidários.

A proposta vai muito além de defender o patrimônio material, mas defender o imaterial, que é a cultura de um povo, a sua religiosidade, a sua fé, que foi alicerçada nesses 133 anos de Romaria ao Santuário.

De defender o material dos moradores da Vila, que investiram e investem consideráveis somas para o incremento turístico, nas atividades de apoio ao visitante.

De defender a livre circulação das pessoas, sem ter os impactos: trânsito e cheiro, com os caminhões de aves e suínos na Rodovia dos Romeiros

Desta forma, conclui-se que estamos diante de uma “Igreja que se cala”, que não se manifesta, que tem o receio de emitir uma opinião em prol dos cidadãos que só estão fazendo o bem. O curioso é que a Igreja costuma se manifestar com impressionante rapidez em matérias que dizem respeito ao poder secular, como eleições, ficha limpa, reforma agrária, aborto,etc.