Publicidade

Na próxima sexta-feira, 02 de fevereiro, acontece a 118ª Romaria Votiva ao Santuário de Nossa Senhora de Caravaggio. A peregrinação religiosa teve início em 1899, quando uma grande seca assolava a região. Naquele dia, agricultores se uniram em Romaria até Caravaggio para pedir a chuva e a graça foi alcançada. A partir desta data, tornou-se tradição os agricultores reservarem o dia 02 de fevereiro para estarem no Santuário de Caravaggio e renderem graças à Maria pela bênção sobre as lavouras.

O Papa Francisco, diante da atual crise ecológica, alertou sobre a necessidade do cuidado da casa comum, a natureza, com toda a sua rica biodiversidade. Por isso, o lema da Romaria Votiva neste ano é “Respeitar, cuidar e contemplar a criação”.

A comissão organizadora prepara uma programação especial. Serão celebradas missas às 8h, 10:30 (com procissão e bênção das máquinas agrícolas), 15h e 17h; récita do terço às 14:30h e 18h. Haverá ainda almoço festivo às 12:30. O altar do Santuário é ornamentado com frutas e produtos da agricultura. Como uma prova da devoção do agricultor, ele colhe os produtos de suas lavouras e leva até Caravaggio para oferecê-los a Nossa Senhora.

A Prefeitura de Farroupilha, através da Secretaria de Turismo e Cultura, é apoiadora do evento e estará colaborando na recepção dos fiéis.

História da Romaria Votiva

Toda a primavera e o verão de 1898 foram implacáveis com os agricultores devido a seca e às dificuldades daqueles primeiros tempos. Mas a vontade de vencer é que tudo transformou. No início de 1899 foram convidadas as pessoas para virem em romaria (a pé, cavalo, carroça) até a Igreja Nossa Senhora de Caravaggio. Era o dia 02 de fevereiro. Num gesto de fé, reconhecimento e confiança vieram de Nova Vicenza (Farroupilha), Caxias do Sul, Nova Roma do sul, Nova Trento (Flores da Cunha), Bento Gonçalves e Nova Pompeia (Pinto Bandeira). Estava atendendo a Paróquia o padre Francesco de Cicco, até julho daquele ano. Todos foram acolhidos, cada qual recebeu o Sacramento da Reconciliação e participou da Santa Missa das 10h. Durante a missa uma pequena nuvenzinha se formou e meia hora depois a torrencial chuva em socorro da sedenta humanidade. Os que vieram pisando pó, voltaram pisando barro. À tarde, rezavam o terço e cantavam as ladainhas, para retornarem a suas casas. A prece sofredora dos devotos chegou ao céu e foi atendida. A agricultura que parecia ter perdido tudo, renovou a esperança. No ano de 1902, o padre Henrique Poggi e os paroquianos de Caravaggio fizeram o voto de recordar o sinal. E, desde então, se faz, anualmente, esta Romaria.