Publicidade

Na manhã dessa sexta-feira, dia 02, professores e diretores de escolas estiveram reunidos no Salão Nobre da Prefeitura para o Seminário Educação sem Machismo. O objetivo foi capacitar os educadores para abordarem os temas da desigualdade de gênero e o machismo, através de ferramentas que promovam a igualdade nos ambientes de ensino.

O evento foi promovido pela Assembleia Legislativa do Estado do RS, Procuradoria Especial da Mulher, Prefeitura de Farroupilha e Instituto Federal do Rio Grande do Sul.

Debateram sobre o assunto as palestrantes deputada Manoela d’Avila, Procuradora Especial da Mulher da Assembleia Legislativa, a Dra. Daniela de Campos, Professora e Integrante do Núcleo de Estudo e Pesquisa em Gênero e Sexualidade do IFRS – Campus Farroupilha, e a Ma. Deisi Noro, Professora Coordenadora-Geral do Fórum Municipal de Educação e Presidente do Conselho Municipal de Educação.

A deputada lembrou que o programa que originou o Seminário foi criado na Assembleia Legislativa em função de um chamamento da ONU pelo empoderamento das mulheres. A demanda pela descentralização do evento foi grande e a meta é realizar o seminário em 30 municípios gaúchos, capacitando 6 mil pessoas. Manoela d’Avila destacou que é preciso pensar uma educação que não reproduza a desigualdade de gênero. “Necessitamos debater a equidade de gênero. Para desenvolver o País, precisamos envolver igualmente mulheres e homens em todos os campos profissionais, de atuação política e de poder”, defendeu a parlamentar.

Para Deisi Noro, Presidente do Conselho Municipal de Educação, “esse foi um momento de reflexão impar para Farroupilha”. Durante o seminário ela falou sobre o Plano Municipal de Educação, escolhido entre os 10 melhores do país.

A Secretária de Educação, Elaine Mareli Giuliato, o assunto ainda é um desafio a ser trabalhado. “Informação e conhecimento, isso significa que estaremos aptos a buscar soluções para desafios que teremos com relação ao tema educação sem machismo, além de tantos outros na busca da sociedade coletiva e acolhedora e que respeite a diversidade”.

Por fim, a Coordenadora da Coordenadoria da Mulher, Márcia Inês Berti Georg, “foi um evento libertador para não criarmos pré-conceitos sobre um assunto muitas vezes pré-estabelecidos pela sociedade”.

Secretária Elaine Mareli Giuliato, Deisi Noro, Márcia Inês Berti Georg e a professora Daniela de Campos.

Fonte: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social | Foto: Adroir Fotógrafo