Publicidade

Com o início da sazonalidade das doenças respiratórias no Brasil, e em especial na região sul, onde o inverno é mais rigoroso, é preciso estar atento aos sinais da gripe. Os principais sintomas são febre alta acompanhada de tosse, dores de garganta, cabeça, no corpo e articular, que geralmente duram uma semana.

A transmissão da gripe pode ocorrer através das secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, espirrar e tossir ou por meio das mãos após contato com locais infectados. O maior problema da doença são as complicações como otites e pneumonias, que podem levar à internação e até mesmo à morte.

 

Cuidados para que a gripe não se alastre

Apesar de Farroupilha não viver um estado de epidemia, a Secretaria Municipal de Saúde enfatiza a necessidade de tomar os cuidados necessários para que a infecção não se alastre. Lavar as mãos frequentemente; utilizar lenços descartáveis; evitar levar as mãos à boca, nariz e olhos, locais com aglomeração de pessoas, compartilhamento objetos de uso pessoal, manter ambientes ventilados e ambientes higienizados com água e sabão ou álcool gel são as recomendações básicas.

No entanto, o cuidado mais importante é vacina contra um dos causadores da gripe, o vírus Influenza (H1N1, H2N3, influenza B). Mais de 16 mil pessoas foram imunizadas durante a Campanha Nacional na cidade, porém, o número de crianças deixou a desejar: apenas 64,21 % receberam a dose.

 

Pais tem obrigação legal de vacinar os filhos

Recentemente, o Ministério Público do Rio Grande do Sul lançou uma campanha para alertar os pais sobre a obrigação legal de vacinar os filhos, ressaltando que a imunização das crianças é importante, não só pela saúde individual, mas também pela saúde coletiva de todos com quem ela convive. Pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) a vacinação é obrigatória nos casos recomendados e se houver descumprimento, os pais podem pagar multa e até perder a guarda dos filhos.

O MP também esclarece na Campanha que qualquer pessoa pode denunciar à promotoria. Depois de analisar a caderneta de vacinação, o órgão dá dez dias de prazo para que os pais regularizem a situação. Se isso não acontecer, uma medida judicial de busca e apreensão pode obrigá-los a levarem as crianças ao posto para tomar a vacina.

 

Campanha de Multivacinação

O Ministério da Saúde oferece de graça todas as 19 vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde. No entanto, 312 municípios do Brasil estão com cobertura abaixo de 50% para vacinação de poliomielite e o sarampo, doença que já tinha sido eliminada no país, reapareceu.

Os pais terão a chance de protegerem seus filhos contra diversas doenças de 06 a 31 de agosto, quando acontece a Campanha Nacional de Multivacinação para Atualização de Caderneta de Vacinação. O dia D marcado está marcado para 18 de agosto, quando todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Estratégias Saúde da Família (ESF) estarão abertas das 8h às 17h. As equipes de saúde vão analisar esquema vacinal e realizar as vacinas atrasadas.

Poderão ser aplicadas a BCG, Rota Vírus Humano, Febre Amarela, Triviral, Tetraviral, Pneumo10 valente, Meningocócica C conjugada, DTP e Hepatite A. Para isso é importante que o responsável apresente a carteira de vacinação.

Fotos: Pixabay e Rodrigo Nunes/MS | Fonte: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social da Prefeitura de Farroupilha

Publicidade